Tipo mídia de surf, só que mais legal

Brasileiros podem ter dificuldade para competir etapas do WQS no Equador

Brasileiros podem ter dificuldade para competir etapas do WQS no Equador

No finzinho da noite desta sexta-feira a WSL Latin America enviou um e-mail de alerta aos atletas do Brasil sobre possíveis problemas logísticos para as próximas etapas do QS, que acontecem de 16 a 20 de junho em Montañita e 23 a 27 do mesmo mês em Salinas.

Com o fechamento das fronteiras de países como Chile, Peru e Colômbia, que normalmente recebem as conexões de voos vindos do Brasil com destino ao Equador, onde acontecerão os dois QS 1000, a situação dos competidores brasileiros pode se complicar.

A única alternativa no momento é viajar pela Copa Airlines, via Panamá. O problema é que a política de bagagem da companhia restringe o número de pranchas a 2 unidades por passageiro. Para se ter uma ideia, cada atleta costuma viajar com quivers formados por, pelo menos, o dobro disso. Há ainda uma segunda preocupação. O número de capas de prancha é limitado ao máximo de 4 por aeronave. Considerando o grande número de brasileiros inscritos nos dois eventos, a logística se torna insuficiente para o transporte do equipamento de todos conforme os planos originais de cada um.

Por isso, o comunicado especial da WSL Latam pediu aos atletas brasileiros que eventualmente ainda não tenham comprado sua passagem, que esperem um pouco mais, enquanto a organização recebe informações de agências de viagens sobre possíveis reaberturas de fronteiras ou novas opções de voo até Guayaquil, no Equador. A Liga também informou que está estudando, em conjunto com alguns surfistas, a contratação de um transporte de carga para aqueles que já compraram passagens pela Copa Airlines.

Novas informações sobre as possíveis soluções devem surgir na próxima semana.