Tipo mídia de surf, só que mais legal

Surf na Olimpíada | Afinal, o surf é televisionável?

Surf na Olimpíada | Afinal, o surf é televisionável?

Faltando duas semanas para a estreia do surf na Olimpíada, você já deve ter percebido que ondas e campeões mundiais do surf brasileiro têm recebido destaque nas chamadas da grande mídia para Tóquio 2021.

Ainda em meio a opiniões divididas sobre a conveniência da realização destes Jogos Olímpicos em meio a uma pandemia, é inegável que o brilho do principal evento esportivo da humanidade se perdeu nessa edição que, a despeito da possibilidade de cancelamento sempre à espreita, celebra sua abertura no próximo dia 23, com um ano de atraso.

O surf não é a única modalidade estreante, mas tem sido prioridade nas escolhas editoriais das grandes redes de televisão que detêm os direitos de transmissão. E, como não poderia deixar de ser, Junior Faria, Carol Bridi Rapha Tognini tentaram entender os motivos da preferência. Atletas-celebridades? Plasticidade do esporte? Momento de popularidade da modalidade? Pode ser nada disso ou tudo isso junto. Mas fato é que, tentando encontrar os motivos, os três caíram na questão que sempre esteve no centro do imbróglio da comercialização do surf como esporte de massa: Afinal, quão televisionável pode ser o surf?

Ou, se preferir:

Como engaiolar nas grades televisivas uma modalidade esportiva que depende tão fortemente dos caprichos da natureza?

Se você também está curioso para saber quanto o surf vai entregar em entretenimento na sua estreia olímpica, dá o play aí.

 

Apoie o Surf de Mesa no Catarse
Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas Apple Podcasts, Google Podcasts, Deezer e Spreaker.
Já conhece o outro podcast da Flamboiar?  VA surfar GINA é o podcast para quem saber mais sobre o surf feito por mulheres.