Tipo mídia de surf, só que mais legal

Carreira de freesurfer: da origem à viabilidade

Carreira de freesurfer: da origem à viabilidade

Um surfista que se torna profissional começou a surfar na vida porque gosta essencialmente de surfar ou de competir? Certamente, há vários que se identificam genuinamente e alimentam a alma com a competição, mas provavelmente todos pisaram pela primeira vez numa prancha por uma vontade primária. E essa vontade era a de surfar.

Sabemos também que a estrutura financeira do surf profissional se construiu ao redor da competição. Esse é o caminho natural da profissionalização em qualquer esporte. Mas dada a tendência à valorização do estilo de vida que permeia toda a construção da imagem do surf, a indústria produziu um segundo tipo de surfista profissional – o freesurfer. E é a essa figura que Carol BridiRapha Tognini e Junior Faria dedicam a conversa nesse episódio do Surf de Mesa.

Desde os primeiros surfistas que conquistaram esse status na Califórnia até a viabilidade real diante das diferenças sociais e econômicas brasileiras, uma pergunta ecoou forte: Por que, no esporte que inspira e vende liberdade, quem decide viver da sua habilidade sobre as ondas precisa, invariavelmente, pagar pedágio nas regras da competição?

Você é livre pra decidir, mas quer um conselho? Dá o play aqui, e vem tentar ser livre com a gente e o resto do mundo.

Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas Apple Podcasts, Google Podcasts, Deezer e Spreaker.