Tipo mídia de surf, só que mais legal

O freesurf profissional pode morrer?

O freesurf profissional pode morrer?

Tentando identificar brasileiros que vivem do freesurf atualmente, Carol BridiRapha Tognini e Junior Faria adentram aos malabarismos que os melhores surfistas fazem quando não se encaixam na competição, mas teimam em viver do que fazem de melhor. O ato de surfar mora ali entre o limiar do esporte e do prazer. Ambos extremamente necessários à existência humana, mas ignorados na história prática do que é compreendido como trabalho.

A realidade é que, competindo ou não, todo surfista patrocinado recebe salário para realizar uma única função: vender a imagem da marca. Isso quer dizer que, na seara trabalhista, o surfista patrocinado está mais para um funcionário de marketing do que para um talento pago para surfar. Aí é que mora a confusão. Quando não há consciência no mercado de que o surfista profissional gera valor para um terceiro, os papéis se confundem. O que deveria ser visto como trabalho, é percebido como regalia. Enquanto o salário é tratado como ajuda.

Nesse contexto, as transformações provocadas pelo advento mais pop da atualidade – o marketing de influência – talvez tenha se tornado um caminho natural para a figura do freesurfer. Seria essa a salvação financeira? Acúmulo de funções e os motivos pelos quais as pessoas se destacam na rede social pode não garantir que o melhor sobre as ondas consiga sobreviver nesse ambiente. Aí só resta mesmo a inevitável pergunta: O freesurfer profissional, nos moldes tradicionais de sua concepção, está em vias de extinção?

Dá o play aqui e vem nesse episódio do Surf de Mesa com a gente:

Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas Apple Podcasts, Google Podcasts, Deezer e Spreaker.