Tipo mídia de surf, só que mais legal

A polêmica da revista Stab, o jornalismo de surf e as redes sociais

A polêmica da revista Stab, o jornalismo de surf e as redes sociais

Se você circulou pelos grupos da internet surfística nos últimos 10 dias, certamente se deparou com a polêmica da revista Stab. Reações em polvorosa em cima da chamada que, em tradução livre, queria saber: Os campeões brasileiros são prejudiciais à WSL? Adicione às letras garrafais passando pelo feed do Instagram a imagem da crew brasileira com bandeiras em punho comemorando uma vitória de Medina e algumas poucas aspas selecionadas para provocar. Estava armada a bomba. Bastava esperar a primeira faísca para explodir em engajamento. Afinal, disso também é feito o atual tempo-espaço no qual tenta sobreviver a mídia profissional.

Um elegante comentário de Yago Dora falando que não entendia o ódio, a sacada de Griffin Colapinto indicando o post como caça-clique e o fato daquele ser um conteúdo premium, portanto, exclusivo para assinantes, foram os ingredientes complementares do coquetel molotov. Arrancado o pino, estava lançada a granada. Enquanto mais de 4 mil comentários enxovalhavam o post e acusavam xenofobia, repousavam ali em segundo plano, provavelmente passando despercebido para a maioria, a autoria da reportagem:

Words by Steven Allain

E é ele, o autor da reportagem publicada na Stab, quem conversa com Junior Faria, Carol Bridi Rapha Tognini neste episódio do Surf de Mesa. Steven é um jornalista brasileiro com uma longa e respeitada carreira na mídia especializada de surf. Depois de passar pelas principais revistas brasileiras, foi o primeiro brasileiro a ocupar o cargo de editor na Stab, maior revista australiana de surf. Hoje, uma das únicas mídias tradicionais especializada com alcance internacional a se manter relevante na cena editorial pós redes sociais.

Steven, que também é criador da Moist, conta nesse episódio os bastidores dessa reportagem que resultou numa espécie de retratação da Stab pela forma como postou a chamada nas redes sociais, onde o contexto é mínimo. Em fato, a reportagem tratava de um assunto recorrente na boca dos próprios fãs brasileiros. E, convenhamos, relevante o bastante para ser tratada mais a fundo.

Quer saber tudo que rolou nos bastidores da última polêmica surfística envolvendo gringos e brasileiros e, de quebra, ainda conhecer um pouco mais sobre os dilemas do conteúdo jornalístico em tempos de internet? Dá o play aí e vem construir isso com a gente.

 

Apoie o Surf de Mesa no Catarse
Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas Apple Podcasts, Google Podcasts, Deezer e Spreaker.
Já conhece o outro podcast da Flamboiar?  VA surfar GINA é o podcast para quem saber mais sobre o surf feito por mulheres.