Tipo mídia de surf, só que mais legal

Surf e menstruação | Dra. Tathiana Parmigiano e as particularidades do corpo feminino no esporte

Surf e menstruação | Dra. Tathiana Parmigiano e as particularidades do corpo feminino no esporte

VA surfar GINA nunca esteve tão em casa como nesse episódio, com a Dra. Tathiana Parmigiano, ginecologista do Time Brasil do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). A Dra. Tathi, como é chamada pelas atletas olímpicas, esclareceu muita coisa na relação entre o esporte e as particularidades do corpo feminino.

Da influência das fases do ciclo menstrual na prática esportiva, às diferenças entre cada mulher, à importância de se conhecer, e aos principais focos de atenção, uma coisa ficou clara: nada disso precisa ser sofrimento ou desconforto. Muito menos dentro do mar…

De quebra, ela ainda falou sobre os desafios que têm encontrado no atendimento das novas modalidades olímpicas, entre elas, o surf e o skate.

Muita informação útil a partir do ponto de vista e experiência de uma mulher que, além de médica ginecologista com foco de atuação no esporte, é mãe e ex-atleta da natação. É conhecimento teórico e empírico muito bem entrosado em uma visão moderna e consciente do que é ser mulher no esporte.

A ginecologia e o surf

A ginecologia do esporte é uma área de atuação voltada a mulheres que praticam qualquer atividade física de forma amadora ou profissional, competitivamente ou não, sendo atleta ou não. Atuando no Comitê Olímpico do Brasil desde 2011, a Dra. Tathiana Parmigiano teve sua primeira missão no Panamericano de Guadalajara, integrou a equipe médica olímpica em Londres 2012 e Rio 2016. Agora, vive o ciclo olímpico junto com as atletas que vão competir em Tóquio 2020, adiado para 2021. A partir desta edição dos Jogos, novas modalidades foram incluídas, entre elas, o surf e o skate.

Assim, a Dra. Tathi passou a acompanhar skatistas e a surfista Tati Weston-Webb (Silvana Lima ainda não passou por ela) e tem encontrado algumas particularidades específicas em relação aos novos esportes olímpicos. “Existem esportes em que a menina vai competir apenas um dia. Diferente da Tati, por exemplo, com circuito e várias etapas”, exemplifica. O que isso tem a ver com ginecologia? O calendário de treinos e competições é uma especificidade que pode ser trabalhada em relação ao ciclo menstrual, podendo impactar diretamente na performance da atleta. “Existe um padrão geral da mulher que tem o esporte como estilo de vida e que eventualmente percebe que o ciclo menstrual interfere no rendimento ou no treino do dia a dia. Algumas alterações são específicas da mulher que pratica exercício”, complementa.

Surf e skate no processo olímpico

No atendimento a modalidades como surf e skate, até agora Tathi percebe diferenças que dizem mais respeito ao comportamento. “Por serem esportes com uma mentalidade mais jovem, surf e skate vão trazer algo muito diferente para o processo olímpico. Existe a competitividade, mas existe também um convívio muito grande, com uns torcendo e vibrando muito pelos outros”, observa. Isso, segundo ela, já é perceptível na preparação dos atletas. “Atendi todas as meninas do skate e você vê o carinho de umas com as outras quando estão juntas. Por mais que sejam adversárias, existe um apoio. Presenciei até uma divisão de patrocinador. Uma parceria bem legal”, conta.

Ainda que surfistas e skatista precisem se adequar aos padrões exigidos pelo olimpismo, na visão de Tathi o que estes esportes acrescentam ao processo também precisa ser ressaltado. “Já se foi a época em que o surfista e o skatista não eram profissionais. Ao contrário, eles treinam muito, se preparam, comem bem, têm fisioterapia, um trabalho de prevenção de lesão como qualquer esporte ´convencional´”, diz.

As principais queixas das atletas

Fisiologicamente, as queixas são muito semelhantes entre as modalidades, segundo a ginecologista. O exemplo mais clássico é a mulher que sente sua performance prejudicada pela cólica menstrual.

Seja surfista, skatista ou atleta de outra modalidade, elas trazem as demandas de tentar minimizar a dor ou de não perder tanto sangue. Tudo isso está vinculado à performance”, observa.

No processo de atendimento às atletas olímpicas, ninguém é obrigada a passar pela ginecologista do Time Brasil, mas há a preocupação de disponibilizar esse cuidado a todas. Assim, surgindo a demanda, seja por parte da atleta ou pela observação de algum outro membro da equipe médica e da equipe de preparação física do COB, há essa disponibilidade. Isso é especialmente relevante diante do fato de que nem toda ginecologista, na sua rotina de consulta, aborda o esporte ou a influência do ciclo menstrual como um todo sobre o rendimento esportivo.

Neste processo, entram também outras questões mais específicas, como o planejando o ciclo menstrual, melhor método contraceptivo para evitar uma gestação no ciclo olímpico ou mesmo questões relacionadas ao dopping. “Elas já passam por isso, mas a atenção fica redobrada em relação a substâncias, que às vezes pode ser uma pomada ginecológica”, exemplifica. A ideia de aproximar as atletas olímpicas dessa área de atuação também atende a necessidade do fair play olímpico.

Influência do ciclo menstrual no esporte

Tathi observa como tendência um melhor treino e rendimento das mulheres no período pós-menstrual, e um pior no menstrual e pré-menstrual. Por mais que não se possa generalizar, isso é o que a maioria costuma reporta e também é o que se explica pela ciclicidade hormonal, segundo a ginecologista. Ela ressalta, porém, que os ajustes para adaptação das fases do ciclo devem ser feitos de maneira totalmente individualizada.

“A maioria prefere o pós-menstrual, mas isso não significa que todas preferem. Já tive atleta pedindo para competir menstruada porque ela se sentia bem. Já tive atleta que preferia usar a irritabilidade da TPM a favor porque ela ficava mais alerta”, conta. Por isso, é fundamental ouvir e trabalhar com cada uma.

Muitas chegam para mim e perguntam qual a melhor fase do ciclo. E eu respondo: ´você que vai me falar em qual você se sente melhor´. E aí a gente trabalha juntas em cima disso”, explica.

Para um processo de planejamento do ciclo menstrual, em primeiro lugar, é preciso autopercepção. “Algumas meninas simplesmente têm um fluxo menstrual pequeno, não têm cólica, não sofrem alterações com a TPM. Com elas, o cuidado é apenas orientar para uma gestação não planejada. Mas outras reportam cólica ou perda sanguínea elevada que pode ser prejudicial para o esporte. O próprio treinamento pode ser individualizado de acordo com o ciclo”, indica. Há ainda a atleta que prefere observar em que fase do ciclo menstrual se sente melhor e direcionar seu calendário menstrual de acordo com o calendário profissional ou pessoal. Se ela se sente melhor durante ou pós o período menstrual, é possível fazer o planejamento do ciclo.

Como é feito o planejamento do ciclo

Se a mulher tem o ciclo regular, pode ser suficiente apenas colocar no calendário e tenta encaixar as etapas. Se existe uma fase de escolha por parte da atleta, tenta-se prever com um certo prazo para organizar de acordo com a escolha dela. Mas se o ciclo é irregular ou se a atleta sofre com alguns momentos específicos, existe a possibilidade de entrar com contraceptivo, geralmente hormonal, seja oral, transdérmico, adesivo, anel vaginal ou DIU. Também faz parte do processo entender ao qual cada uma se adapta melhor.

“Nestes casos, a gente fica com o ciclo na mão. Ela vai menstrual quando ela quiser, se ela quiser”, afirma. É preciso ainda ressaltar que controlar o ciclo e não menstruar de maneira programada não gera nenhum prejuízo de saúde. Mas a menstruação interrompida sem programação precisa ser investigada. “Podem ser alterações hormonais, pode ser tireóide, baixa disponibilidade energética, dieta inadequada. Isso é muito, muito importante porque pode piorar o desempenho”, destaca.

A possibilidade de manejar o ciclo e escolher quando menstruar é uma realidade, mas Tathi pondera que, para isso, é preciso lançar mão do contraceptivo hormonal, que também tem sua indicação e sua contraindicação.

Não é normal deixar de menstruar sem programar

Se ter a opção de menstruar é um avanço proporcionado pelos métodos contraceptivos hormonais, deixar de menstruar naturalmente, definitivamente, não é normal.

Pode ser muito comum, mas não é normal. Toda mulher que para de menstruar ou que tem ciclos maiores que 35 dias precisa ser investigada.”

Pode ser uma alteração do hormônio prolactina, pode estar relacionado a tireóide, a uma síndrome de ovário policístico, pode ser gravidez ou, quando se pensa em atletas, pode ser um desequilíbrio energético que vai gerar impactos mais severos no médio e longo prazo.

Os esportes de maior risco para isso são aqueles com controle de peso ou aqueles em que o biotipo magro é esteticamente solicitado ou induzido. Especialmente nestes casos é preciso ter cuidado porque as dietas podem ser muito restritivas ou simplesmente insuficientes para a demanda do treino, seja ele feito na academia, numa quadra ou no mar. “É necessário um balanço energético, uma disponibilidade energética compatível com o treino porque, se ficar restrita, vai faltar energia para a produção hormonal. Se isso persistir, vai faltar energia para o rendimento esportivo. E se persistir mais ainda, entra em risco para distúrbios alimentares, como bulimia, anorexia, ortorexia, vigorexia”, alerta.

Os impactos para a atleta de alto rendimento

“Na ausência da menstruação de maneira espontânea, quem sofre mais é a falta de estrogênio, que é o principal hormônio feminino. A médio e longo prazo, o osso sofre como se fosse o osso de uma mulher na menopausa, que começa a perder densidade. E, por vezes, causa infertilidade, geralmente transitória”, observa. Além disso, relacionado à deficiência energética, outros sistemas são acometidos, diminuindo a concentração, a coordenação, o rendimento em treino, aumentando o risco de lesão, e alterando o humor, levando tanto à depressão quanto à ansiedade. “Isso repercute na vida de qualquer mulher. A base é o equilíbrio entre dieta e treino”, aponta.

Ainda que muitas mulheres se sintam aliviadas com a diminuição ou ausência da menstruação, se isso está ocorrendo de forma natural, é um sintoma que precisa ser valorizado. “Você pode até ficar sem menstruar por opção. Mas se isso acontece do nada, não é normal e alguns danos podem ser irreversíveis. Há uma piora da saúde e da performance porque tem uma série de outras coisas que também estão acontecendo junto com a ausência da menstruação. Muitas pessoas não fazem essa relação”, acrescenta.

Tríade da Mulher Atleta e RED-S

A Tríade da Mulher Atleta foi descrita em 1992 e relacionava distúrbio alimentar, amenorreia (três meses sem menstruar) e osteoporose. Com mais estudos, em 2007 houve o consenso de que, para ajudar a paciente, era preciso um diagnóstico precoce. Por isso, ao invés de distúrbio alimentar, passou a se falar em baixa disponibilidade energética. Ao invés de amenorreia, é preciso atenção ao ficar um mês sem menstruar. E, a invés de osteoporose, considera-se já a baixa densidade óssea, ou seja, o início da perda. Hoje, isso é a Tríade.

Mais tarde, em 2014, o Comitê Olímpico Internacional (COI) publicou outro consenso ampliando o conceito para a Deficiência Energética Relativa no Esporte (RED-S). “A Tríade é desencadeada pela deficiência energética. E o COI colocou essa disponibilidade energética no centro de várias outras questões além do sistema reprodutor, da menstruação, e além do osso”, explica Tathi. Entraram as questões endocrinológica, psíquica, gástrica, e muitas outras. Assim, passaram a ser considerados o maior número de lesões, menor resposta a treino, depressão, ansiedade, alteração de coordenação e concentração, estando a base de tudo na parte energética.

A culpa não é do treino, mas sim do treino não seguido do aporte energético adequado.”

Se a Tríade se restringia à mulher, a RED-S ampliou a percepção aos homens. Ainda que eles não tenham a menstruação, todos os outros parâmetros clínicos são os mesmos. O surf pode ser incluído entre os esportes de maior risco. Ainda que não exista um controle direto de peso, como é o caso do judô, em que o peso define a categoria, surfistas apresentam uma demanda individual na qual o peso e a composição corporal são uma preocupação maior na medida em que o corpo está à mostra e há uma valorização de determinado biotipo. 

Outras particularidades do corpo feminino

Além das questões relacionadas ao ciclo menstrual, outras particularidades da mulher no esporte que costumam ser indevidamente normalizadas são a incontinência urinária e dor na mama. A incontinência, segundo Tathi, existe entre atletas principalmente nos esportes de maior impacto. Levantamento de peso e ginástica olímpica são modalidades em que o risco fica mais óbvio devido aos saltos e à pressão intra-abdominal. Mas esportes praticados na água também merecem atenção, já que os músculos do assoalho pélvico podem ser acometidos durante a preparação física fora d´água.

Assoalho pélvico é um grupo de músculos que tem como função sustentar a bexiga, o útero e o intestino, absorvendo impacto e garantindo continência urinária e fecal. Além disso, contribui ainda para um maior equilíbrio, menor risco de lesão, menos lombalgia e melhor postura. Yoga e pilates são modalidade muito boas para trabalhar esse grupo de músculos, desde que seja feito o movimento certo. “Metade das mulheres não sabe contrair essa musculatura e precisa aprender”, alerta. Quase metade das atletas tem perda urinária (em trampolinistas, é verificado em 80% dos casos), segundo Tathi. Mas, ainda que seja comum, não pode ser vista como normal. É preciso tratar porque a perda pode ser progressiva.

Já a dor na mama, geralmente associada ao ciclo menstrual, também pode estar acontecendo devido à prática esportiva. Por isso, uma boa orientação em relação ao top usado para a compressão adequada é muito importante. “Tem que dar um suporte adequado, mas a compressão deve ser feita de maneira correta para não gerar dor e desconforto. A escolha adequada previne”, indica.

Gestação e prática esportiva

Em relação à gestação, Tathi afirma que a prática de exercício físico está mais do que preconizada. Uma mulher que corria antes de engravidar pode manter a prática com os cuidados necessários: prevenindo a musculatura do assoalho pélvico devido à sobrecarga; escolhendo melhor o terreno; entendendo que o centro de gravidade muda devido ao crescimento do útero; e entendendo o risco de queda inerente.

Ela destaca que a gestante que faz exercício tem uma tendência maior a um parto normal e um condicionamento físico para um trabalho de parto mais confortável, tem um bebê que cresce melhor, tende a ter menor risco de hipertensão e diabete gestacional, e provavelmente ganha menos peso. Ainda que possam existir contraindicações obstétricas que serão avaliadas no início do pré-natal, em geral são inúmeros os benefícios. Mergulho com cilindro, porém, é um esporte absolutamente proibido em função do risco fetal envolvido. Assim como os esportes de impacto tendem a ser minimizados. “As articulações da grávida ficam mais frouxas”, explica.

Em relação ao surf, ela destaca que é preciso entender a mudança de centro de gravidade e de equilíbrio, além do risco inerente de queda. “A queda, definitivamente, não é uma coisa que a gente quer que aconteça com qualquer gestante. E o impacto na água do mar também pode ser muito perigoso”, observa.

Tathi considera ainda a percepção da mulher, contando com o bom-senso, de que há momentos em que o risco será maior do que o benefício.

É muito importante ressaltar que na gestação não se pode visar nenhuma performance esportiva e nenhuma meta. É prazer puro, saúde pura”, diz.

Isso também no surf. Pode não ser a onda que você quer pegar, a prancha que você prefere usar, mas é preciso estar no seu ambiente de uma maneira segura.

Retorno da gestação

Depois do parto, o mais importante é que o retorno seja gradual. Tathi explica que existe a verdadeira quarentena: pelo menos seis semanas para o  corpo entender que a mulher não está mais grávida.  “Retorno rápido geralmente predispõe a questões ortopédicas porque o centro de gravidade mudou, a musculatura mudou. Existe uma troca de composição corporal mesmo engordando pouco. Tudo isso precisa ser readquirido e é um processo gradual”, ensina.

O esporte moderado também não causa nenhum prejuízo ao aleitamento. Já o exercício intenso às vezes produz ácido lático, que é excretado no leite, fazendo o bebê passar a sugar menos e impactando na queda da produção. Para quem quer treinar intenso, a dica é amamentar antes de treinar. Isso vai gerar um intervalo para que o ácido lático seja metabolizado. É preciso ainda consciência de que se está gastando energia com o treino, é preciso repor mais. Por isso, é preciso dieta e hidratação adequadas.

Se houver um equilíbrio, dá pra fazer tudo sim”, garante.

Cuidar da mama também é fundamental. Fazer exercício depois de amamentar e usando sustentação adequada torna o treino mais confortável e não prejudicial.

Não precisamos sofrer

Tathi chama atenção para a importância de que cada mais os homens passem a entender sobre as particularidades da mulher no esporte porque ainda é predominante a presença masculina entre técnicos e gestores. Para ela, é importante também que a mulher conheça cada vez mais o seu corpo, essas particularidades e que é possível não só lidar com elas, como usá-las a seu favor. “A mulher tem muito a ideia de que tem que conviver, tem que se acostumar. Mas dá pra ser feminina e ter um ciclo menstrual como um parceiro e não um vilão”, informa. O recado é que, definitivamente, não precisamos sofrer.

 

 

VA surfar GINA também está disponível nas plataformas Apple Podcasts, Deezer, Spreaker e YouTube.

Quer ouvir mais podcast de surf? Conheça o Surf de Mesa, podcast mais sincerão do universo surfístico, apresentado por Carolina Bridi, Junior Faria e Raphael Tognini.

Carolina Bridi
Carolina Bridi

Carolina Bridi é jornalista e uma das criadoras da Flamboiar. Perseguindo histórias, foi ficando cada vez mais próxima da praia até ter sua história mesclada com as aventuras que conta. Adora longboards, glass pigmentado, acredita em surf divertido, na ressurreição do impresso e apoia veementemente a ideia de que a vida merece bons momentos de sono. No Instagram, atende pelo @carobridi.