Tipo mídia de surf, só que mais legal

O que são, afinal, pranchas alternativas?

O que são, afinal, pranchas alternativas?

O shaper Brit Merrick, da Channel Islands, disse dia desses para a revista australiana Stab que as pranchas alternativas não têm futuro. Foi o que bastou para Junior Faria, Carol BridiRapha Tognini pararem para pensar sobre o assunto. Afinal, quando o responsável por uma das marcas de pranchas de surf mais reconhecidas do mundo fala sobre tendências de equipamento, é impossível ignorar.

Por isso, esse episódio do Surf de Mesa entra na onda dessa profecia (ou vontade) de Brit para buscar entender o que, afinal, ainda está sendo considerado alternativo no universo das pranchas de surf. Em tempos de diversidade, o encontro de um sem número de estilos de pranchas dentro do mar pode significar muito mais do que uma tendência passageira. Mas sim um acomodamento natural a partir da normalização do “diferente”.

A moda que gerou uma corrida pela procura de pranchas que revisitam estilos de surf além do progressivo/moderno só foi possível porque o avanço aconteceu e hoje permite que cada surfista busque sua própria expressão no surf para além da alta performance. Leia-se: do que fazem os prós nos principais campeonatos.

O que os melhores surfistas do mundo usam sob seus pés continua ditando tendência mar afora, e isso nunca vai mudar. Mas que mal poderia existir em normalizar de uma vez por todas a multiplicidade dos estilos de surf de acordo com as funcionalidades específicas de cada tipo de prancha, não é mesmo?

 

Apoie o Surf de Mesa no Catarse
Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas Apple Podcasts, Google Podcasts, Deezer e Spreaker.
Já conhece o outro podcast da Flamboiar?  VA surfar GINA é o podcast para quem saber mais sobre o surf feito por mulheres.