Tipo mídia de surf, só que mais legal

Mudanças da WSL, praias liberadas e outras notícias da semana

Mudanças da WSL, praias liberadas e outras notícias da semana

As mudanças da WSL, um sorvete napolitano de isolamento, surfa-não-surfa e praias liberadas, e as novidades sobre os campeonatos virtuais realizados por surfistas profissionais. Está no ar o 8º episódio do podcast SURF ZINE. E estas são as principais notícias da semana:

Mudanças no circuito mundial

O anúncio de mudanças da WSL para o circuito mundial roubou as atenções nessa semana. Em um vídeo com mais de oito minutos, o CEO da WSL Erik Logan divulgou novidades para o CT e o QS a partir de 2021. E as informações mais importantes são as seguintes:

O título mundial será decidido em uma super final disputada entre os atletas do topo do ranking. Enquanto nos bastidores a informação é de que esta grande final seria disputada entre os cinco primeiros do CT, oficialmente nem Logan nem a WSL confirmam. Portanto, não teremos mais um campeão a partir do somatório de resultados durante o ano todo. E sim algo mais parecido com a ATP Finals do tênis ou o Super Bowl do futebol americano.

Outra mudança importante diz respeito ao QS. O calendário de 2021 será dividido entre um período de classificação, quando rolarão etapas do Challenger Series, e um período para etapas do CT. Acaba, então, aquela história de correr o CT e o QS ao mesmo tempo para os surfistas da elite que acabam capengando no ranking. 

Por fim, Logan anunciou uma espécie de série regional de campeonatos do QS. Algo que não é novidade e já foi feito pela ASP na primeira década de 2000. Segundo o CEO da WSL, a ideia é fortalecer eventos regionais para que os surfistas novatos possam competir no seu país e, assim, conseguir pontos para entrar no Challenger Series. Uma espécie de série C, para usar um exemplo do futebol.

Praias liberadas

Agora vamos ao abre e fecha da praias e, consequentemente, do surf, pelo Brasil e pelo mundo. Nesta quinta-feira, 30 de abril, a Associação de Surf do Guarujá anunciou via Instagram que entrou em acordo com a Prefeitura e que o surf deve ser liberado em horários limitados a partir da semana que vem. Com isso, a expectativa é de que o decreto, que está para sair a qualquer momento, seja publicado no Diário Oficial até, no máximo, terça-feira.

O acordo aconteceu depois que outras cidades da Baixada Santista passaram a permitir a prática de esportes no mar. Praia Grande está com o surf liberado das 5h às 8h. Já as praias de Bertioga estão liberadas desde sábado passado. Só que na cidade a flexibilização já começou a causar problemas, com a chegada de vários surfistas de fora. Por isso, foram estabelecidos novos limites. Já no começo da semana, Bertioga passou a restringir a entrada de carros com placas de fora que estejam carregando pranchas. E uma nota publicada ontem, quinta-feira, no site da prefeitura informa que todas as atividades físicas individuais realizadas em praias, rios e mares estão permitidas de segunda a quinta-feira, das 6 às 18 horas. Ou seja, voltam a ser proibidas às sextas, aos finais de semana e feriados.

Califórnia e Sidney voltam atrás

O comportamento da galera também foi motivo de revisão das aberturas que rolaram na semana passada em algumas praias nos Estados Unidos e na Austrália. Na Califórnia, após o primeiro final de semana de reabertura das praias, o governo já anunciou que deve voltar atrás na decisão. Por enquanto, as praias de Orange County, que reuniram um crowd absurdo no mar e na areia após a reabertura, estão novamente fechadas a partir desta sexta-feira.

Também Sidney, na Austrália, que havia sido usada como exemplo em coletiva oficial do governo brasileiro, voltou atrás. As três praias que haviam sido liberadas para atividades físicas até às 9h estão novamente fechadas. A alegria durou só uma semana pelos mesmos motivos da Califórnia: gente demais e bom-senso de menos ocupando o mesmo lugar.

Campeonatos Bico Branco e Shaka Girls

Hoje e amanhã estão rolando as votações da primeira semifinal do Campeonato Bico Branco no Instagram. Thiago Camarão, de Juquehy, e Renan Pulga, de Cambury, se enfrentam na bateria que está aberta até o meio-dia deste sábado, 2 de maio, para votação do público. E logo depois entram as ondas da outra semifinal, com bateria de Felipe Oliveira e Wesley Leite até meio-dia de domingo. A final começa no próprio domingo, dia 3, a partir das 18h e vai até às 18h da segunda-feira, quando rola uma live para anunciar o campeão.

Ainda na esteira dos campeonatos virtuais, o Shaka Girls, que também é iniciativa de duas surfistas profissionais, está com inscrições abertas para o seu segundo campeonato. A ideia veio das surfistas Yanca Costa, cearense que mora no Rio, e da paulistana Isabela Saldanha. O primeiro campeonato rolou entre os dias 25 e 30 de março, com 50 competidoras divididas em duas categorias – acima e abaixo de 14 anos. Além dos votos da audiência na primeira fase, a partir das oitavas de final o júri teve nomes como Silvana Lima, Sofía Mulánovich, Coco Ho, Brigitte Mayer e Suellen Naraísa. Este segundo campeonato, com inscrições abertas até o próximo dia 8, é dedicado exclusivamente às mulheres do Longboard. As inscrições, contendo nome, idade, pico de surf e possíveis títulos especiais, devem ser enviadas para o e-mail shakagirlsbr@gmail.com. 

 

E aqui estão os links para as DICAS DA SEMANA NO SURF ZINE:

A matéria How Pro Surfing Was Sold, publicada pela Surfer em 2013.

O filme B-Side, de Pablo Aguiar com Yago Dora.

O canal Fletcher DNA, no YouTube.

O SURF ZINE também está disponível nas plataformas iTunes, Google Podcasts, Deezer, Spreaker e YouTube.

Quer ouvir mais podcasts de surf? Carolina Bridi, Junior Faria e Raphael Tognini também colocam suas ideias para funcionar todas as quintas-feiras no Surf de Mesa, o podcast mais sincerão do universo surfístico.