A utopia do surf pleno

A utopia do surf pleno

A imagem do ser humano absolutamente livre para cumprir os desígnios voluntariosos da natureza com o propósito invariável de estar sempre lá, onde as melhores ondas surgem, é um mito pelo qual poucos de nós conseguem passar impunes. É ele, talvez, que, escondido lá no fundo (ou nem tão fundo assim) de nossos subconscientes, alimenta aquela sempre bem disposta ponta de frustração cada vez que olhamos para o nosso próprio surf, nos comparamos com os melhores ou simplesmente chegamos sempre depois daquele lendário mar clássico de meia hora atrás.

Mas a realidade é que as escolhas necessárias para alcançar e manter aquele sonho à la Endless Summer significa, na vida prática que conhecemos, prejuízos pessoais e sociais talvez irreparáveis. Viver o surf a plenos pulmões talvez possa ser definido como um ato de total desprendimento social e, em outro extremo, de absoluto egoísmo. Por isso, a liberdade – e em outro extremo a vagabundagem – talvez estejam, desde os primórdios, tão atrelados ao surf em sua essência.

É por isso que, nesse episódio do Surf de Mesa, Junior Faria, Carolina Bridi e Raphael Tognini adentram num bate-papo absolutamente contemplativo para alcançar os extremos utópicos dos afãs mais surfísticos que encontram em suas personalidades.

Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas iTunes, Deezer e Spreaker.