Toda prancha carrega em si…

Toda prancha carrega em si…

15 de setembro de 2015

Toda prancha carrega em si a possibilidade de crowd.

Amarrada ao rack ela insinua, além de infinitas hipóteses de diversão explícita, a probabilidade de aumentar o stress no pico.

Um carro repleto de pranchas circulando a beira-mar suscita um incômodo indisfarçável. O prazer egoísta de surfar sozinho, ou quase, seja lá o tipo de onda que for, supera o bom tom da convivência pacífica. Não há ética na divisão dos recursos hídricos salgados.

O politicamente correto naufraga na primeira rabeada e o clima esquenta a sessão. Camaradagem só em secrets com os mais chegados, rolando altas em quantidade suficiente.

E mesmo assim, se o ego falar mais alto, vai faltar espaço…


Cristina Pereira vive em meio ao pó de poliuretano e às palavras desde sempre. Foi repórter, colunista e revisora de revistas de surf por um longo tempo, e surf repórter pioneira. Fala constante e ininterruptamente e faz das palavras seu meio e filosofia de vida.