Jadson André faz uma autoanálise de sua primeira década no tour

Jadson André faz uma autoanálise de sua primeira década no tour

Nesta sexta, 28, Jadson André embarca rumo à África e, de lá, emenda destinos até chegar ao Hawaii no final do ano. Isso significa que as semanas que antecederam a etapa brasileira do circuito mundial foram a única oportunidade que ele teve de cumprir uma longa agenda de compromissos com fãs, patrocinadores e mídia. O ápice disso, naturalmente, aconteceu em Saquarema, onde recebeu Junior Faria, Carolina Bridi e Raphael Tognini para gravar este episódio mais que especial do Surf de Mesa.

Enquanto rolavam as finais do Oi Rio Pro, Jadson fez uma autoavaliação sincera sobre suas condições no tour e os resultados alcançados até agora, e emendou uma análise do circuito com a propriedade de quem acumula quase 10 anos no CT.

Passou por assuntos como o assédio na etapa brasileira, o impacto da rotina de compromissos nos resultados, marcas locais e regionais como caminho frente à crise de patrocínios, os fatores negativos que resultaram na sequência de resultados irretocáveis nas primeiras etapas do QS, o efeito das emoções nos resultados, a polêmica sobre direitas e esquerdas no tour, a relação fiel com o shaper Ricardo Martins, o melhor pico pro CT no Brasil, a configuração de ondas dos sonhos, e a diferença de realidade entre os atletas do CT.

Além do Spotify, você também pode ouvir o Surf de Mesa nas plataformas iTunes e Spreaker.